Casa do Bem - Natal/RN

Casa do Bem

Dentre as associações e ONG’s que se destinam à inclusão e apoio as classes menos favorecidas, a Casa do Bem é um ótimo exemplo de sucesso.

Muito antes do prédio existir passei a receber boletins periódicos com as atividades do presidente Flávio Rezende, escritor e jornalista. Por trás da simplicidade dos títulos que dá aos projetos há muita humanidade, pois, de classe alta, o mesmo era capaz de andar rodeado de pessoas de chinelo rasgado, roupas desgastadas e talvez cabelos não tão penteados.

O tempo foi passando e apenas abria os emails admirando as ações que só cresciam, também  julgando que com tantos apoios de pêso da alta sociedade, quem seria eu pra fazer algo?.

Minha admiração aumentou muito quando fui percebendo o comportamento nas redes sociais, quero dizer, ter um ser humano ajudando o outro sem interesses escusos está cada hora mais raro. Nota-se muitas “bravatas” contra violência, contra corrupção, contra maus tratos a animais, contra danos ao meio ambiente mas que na prática não acontece nada efetivamente, E PIOR, além de não passar de falácia, muitos são os próprios criminosos exibindo seus títulos de doutores/engenheiros/advogados/etc.

Em palestra ministrada no TwittencontroRN 2012 ele deixou claro que antes as pessoas rettwitavam porém sem nenhuma ação prática, como se retwittar seja “fiz a minha parte”, mas pior é descobrir que ao passar do tempo,  até retwittarem está difícil.

Nesse momento elevo esta pessoa, Flávio Rezende, a um patamar de cidadão do Bem de fato. Não o “Bem” que muitos usam apenas para encobrir seus preconceitos e ganâncias, como um disfarce, mas aquele que FAZ, REALIZA.

As vésperas de completar 1 ano de casa construída, reparei que apesar do meu entendimento equivocado de que a Casa do Bem “já tem tudo”, faltava algo muito fácil e popular de fazer e como ninguém tomou iniciativa, levantei e fui visitar a Casa, conhecer essa figura de perto.

A energia positiva que se recebe ao visitar esta casa é muito grande, e ali minha indignação era não ter um canal de vídeo onde internautas, que aos poucos perdem a esperança, secam diante de uma máquina, pudessem ver e sentir essa energia.

Assim nasceu o canal da Casa do Bem no Youtube.

Reaprendi, nenhuma fala faz sentido sem uma ação, por mais simples que seja, caso desse simplório voluntariado.

Mesmo considerando que o país vive  fase econômica favorável , dado a extrema crise mundial , muitos não conseguem colaborar financeiramente, no entanto seu talento, sua profissão pode colaborar com ações da casa, desde no processo administrativo quanto em formação dos beneficiados, lá é a casa onde os interessados podem ir fazer o bem sem ver a quem.

Casadobem no Youtube 1º Layout

Ao contrário do que muitos pensam, os espetáculos apresentados pelos concluintes dos diversos projetos de dança, hip-hop, violão, capoeira entre outros  são dignos de se apresentar publicamente sem restrição de ambientes.

A história da casa contada pelo próprio Flávio Rezende revela verdadeiras obras do destino no vídeo “Letras e Imagens do Bem – O Livro e o Terreno “.

Campanhas e reportagens estão sempre atuais, a mais recente contou com o apoio de nada mais nada menos que Bruno Gouveia, músico de um dos grupos mais históricos do Brasil, Biquini Cavadão.

Bruno Gouveia no VT da Casa do Bem

Bruno Gouveia no VT da Casa do Bem

Curiosamente, apesar de amplamente divulgado nas redes sociais, fóruns, newsletters, me parece que fazer o bem, ou que seja, ver pessoas fazendo o bem não é interessante. A preocupação não é com a audiência em si [números], é que se apreciar o que dizem os artistas, ver o sorriso de uma criança, de um idoso é um exercício que precisa de cansativo esforço, há de se pensar, que sociedade estamos criando?.

Italo Valerio

@italovalerio